Vídeo reportagem sobre as crianças em presídios bolivianos

Os dois vídeos abaixo mostram um pouco a realidade que estamos trabalhando aqui na Bolívia. São reportagens, pequenos documentários, sobre a situação das crianças que ficam presas com sua mãe e/ou pai aqui na Bolívia.

Aqui em Puerto Suarez estamos empenhados em mudar esta situação, contamos com sua oração. Participe do Proyecto Esperanza Bolívia curtindo esta página no Facebook e fique por dentro das notícias para orar e louvar a Deus conosco.

La niñez en una celda boliviana


Caso não veja o vídeo acima clique aqui

Niños de la carcel


Caso não veja o vídeo acima clique aqui

Até mais

Ricco

A criança que não queria voltar pra casa, ela mora no presídio!

Desde que chegamos á Bolívia em Janeiro temos trabalhado com as crianças que  moram no presídio. Nunca imaginamos esta situação e oportunidade de trabalho*, Deus conduziu tudo e estamos quebrando a cabeça para fazer o melhor.

Aqui em Puerto Suarez na Bolívia, ficam todos juntos no presídio: homens, mulheres e crianças. Tem de bebê a crianças de 12 anos, e ficam junto com os pais que estão, na maioria dos casos, presos por narcotráfico. Hoje temos um trabalho com dois grupos de crianças que ali estão. Os menores nós levamos a creche e somos responsáveis por tudo, uniforme, transporte, material escolar, documentação, tirar e devolver do presídio. Os maiores são três irmãos, de 9 a 12 anos. Eles vão à escola pela manhã e voltam para casa, no presídio, para almoçar. À tarde, de Quarta a Sexta, nós pegamos eles e trazemos para a base missionária onde tem estudo bíblico, aconselhamento e a escola de futebol, e de Sábado de manhã também tiramos eles do presídio para jogar bola.

Ainda estamos tentando entender toda a situação das crianças nas cadeias da Bolívia, ouvi que em Santa Cruz existem 1200 crianças presas com suas mães! Aqui em Puerto Suarez estamos fazendo a diferença na vida destas crianças reduzindo o tempo e o impacto de viver no presídio, pois ali é a sua casa.

Esta semana ocorreram duas situações bem parecidas, e quero dividir um pouco desta experiência. Há alguns dias atrás quando voltamos da creche, a Maria*, uma das pequenas, sentou na frente do portão de entrada do pátio e ficou olhando para dentro, onde estão as celas. A sua mãe, que esta presa, estava do outro lado da grade e o portão estava aberto. O guarda olhou para a Maria e acenou com a cabeça como quem quer dizer “vamos, entre”. A mãe da Maria pegou sua mão através da grade e disse “venha filha”. E a Maria continuou ali parada, olhando em direção as celas, mas ao mesmo tempo olhando para o nada, sem dizer uma palavra. Neste momento eu perguntei a ela: você não quer entrar? E sua resposta não veio em palavras, ela apenas balançou a cabeça pra direita e esquerda sinalizando que não queria voltar para casa. Sua mãe passou a mão pelo portão aberto, pegou em seu braço e a puxou para dentro.

Hoje, voltando com os garotos do futebol, eu disse para o Paulo* que amanhã os pegaria as duas da tarde para o estudo bíblico na base missionária. Ele me perguntou quando eu os levaria de volta ao cárcere, e eu disse que mais ou menos umas cinco horas da tarde. Ele me olhou, abriu um sorriso e perguntou todo animado: não pode ser as seis ou as sete? Meus olhos se encheram de lágrimas, mas eu me contive e disse que teria que ser as cinco mesmo.

Estas crianças não devem estar na cadeia, ainda que a lei boliviana permita que crianças de até seis anos fiquem com as mães presas, não existem condições adequadas para uma infância saudável dentro dos presídios bolivianos. Nós temos muito trabalho pela frente e eu quero te desafiar a abraçar esta causa junto conosco. Hoje, o que temos na mão é uma base missionária e um projeto que retira por tempo parcial estas crianças do presídio, queremos avançar e construir o orfanato. Vamos mobilizar a sociedade boliviana, o governo, as famílias dos presos e fazer tudo que for possível para mudar esta situação na Bolívia. Sonhamos alto, planejamos o que queremos, mas vamos fazendo o que podemos agora e não desprezamos este pequeno começo!

Junte-se a nós no Proyecto Esperanza
No dia 12 de Outubro é o Dia da Criança no Brasil, as crianças serão lembradas em todo lugar pelo país. Eu quero te desafiar a lembrar das crianças presas aqui na Bolívia. Vou preparar material para uma apresentação do projeto para você usar em uma reunião de oração e mobilização. Estamos chamando de Proyecto Esperanza (Projeto Esperança em espanhol), você deve separar um dia do mês de Outubro, por uma hora ou menos, e organizar um encontro para falar sobre estas crianças, pode ser um chá em sua casa, uma pizzada no restaurante da esquina, um tempo no culto de sua igreja, ou outro momento.

A ideia é que você mostre algumas fotos (que não podem ser divulgadas na internet), compartilhe as histórias, os pedidos de oração, e desafie cada pessoa a continuar orando e mobilizando mais pessoas pelo Proyecto Esperanza. Eu não sabia desta situação das crianças no presídio até chegar aqui na Bolívia, espalharmos a informação é o primeiro passo, temos que contar pra todo mundo sobre estas crianças que não querem voltar para casa, pois moram no presídio. Depois de mostrar a causa temos que chamar as pessoas para fazer algo, neste momento quero oração e ideias.

Em breve vou postar mais detalhes do que vamos chamar de Dia da Esperança. Se você se interessa em fazer parte disto clique aqui e deixe seu nome e e-mail e entramos em contato.

Graças aos meus amigos espalhados pelo mundo, vamos preparar material em inglês, espanhol, francês e alemão. Se você está em algum outro país, que não o Brasil, e quer traduzir o material para outro idioma não citado acima, clique aqui e mande seu nome e e-mail. Quero ver o Dia da Esperança acontecendo em vários cantos do Brasil e do Mundo!

Participe:

Faça seu cadastro neste link

Curta a página do Proyecto Esperanza Bolivia no Facebook

Confirme sua presença aqui no evento no Facebook!

Valeu e até

Ricco

*Notas:
[1] Clique aqui e veja como começou nosso envolvimento com este projeto de crianças no presídio.
[2] Maria e Paulo são nomes fictícios de crianças reais e histórias verdadeiras.