Projeto com crianças dos presídios na Bolívia na Revista Ultimato

ultimato (4)

Leia a matéria, Saiu na Ultimato de Set/Out 2015:

As crianças presas em Puerto Suarez

Elas são crianças e vivem encarceradas. Mas nunca cometeram crime algum. O que parece um erro judicial acontece normalmente na Bolívia. Segundo o UNICEF, no período de 2000 a 2008, as crianças que moraram em presídios com seus pais chegaram ao número de 1.168 (17% da população carcerária). As crianças representam mais de 42% (quase 4 milhões) da população boliviana.

O brasileiro Ricardo Silva, o “Ricco”, chegou em Puerto Suarez, fronteira com o Brasil, com a missão de fundar igrejas. Ele passaria um tempo específico para cumprimento do estágio transcultural do curso teológico que fazia. Ricco começou a visitar a população, e um dia foi convidado a realizar um culto na cadeia da cidade. Chegando lá, ele viu crianças brincando e achou que era dia de visita familiar, e logo disse: “eu volto outro dia; hoje é dia de visita”. Mas o guarda respondeu: “não, não é dia de visita”. Então Ricco entendeu que aquelas crianças não estavam visitando suas mães; elas moravam lá.

Ricco não abandonou seu chamado de fundar comunidades cristãs. Mas entendeu que Deus havia dado a ele a missão de acolher crianças que não podiam exercer o direito básico da liberdade porque suas mães estavam cumprindo penas. Ele então fundou a Casa Lar Redención. Começou assim: ele e sua família cuidavam dos pequenos durante o dia e os levavam de volta para a cadeia à noite. Hoje, as crianças moram lá e recebem todo o cuidado necessário. A estrutura é pequena, mas é a única instituição num raio de 300 quilômetros. O projeto, que hoje cuida de 13 crianças, se tornou um poderoso testemunho do amor de Deus.

Ricco chegou com um plano – fundar igrejas. Mas lá, descobriu que já havia muitas igrejas. Por outro lado, ninguém enfrentava o problema das crianças na cadeia. Ricco entendeu que o plano seria outro; seria responder às necessidades dos pequeninos. Moral da história? Atualmente, nenhuma criança mora na cadeia de Puerto Suarez.

Fonte: Revista Ultimato / texto de Lissander Dias